capa site flink 2

  • 02
  • 01
  • 04
  • 06
  • 05
  • 03

Conheça o júri do Prêmio Internacional de Investigação Histórica Agostinho Neto

Agostinho Neto

Já foram definidos os integrantes do júri que vai escolher a obra vencedora do Prêmio Internacional de Investigação Histórica Agostinho Neto. O prêmio vai contemplar obras de investigação histórica sobre Angola, Brasil, o continente africano e a diáspora, através dos afrodescendentes.

O júri do Prêmio Internacional de Investigação Histórica Agostinho Neto 2016 está constituído por presidente e investigadora, e representantes da Faculdade Zumbi dos Palmares e Instituto Afrobrasileiro de Ensino Superior; da Unesco; e da Fundação Dr. António Agostinho Neto.

Os integrantes do júri são Alberto Oliveira Pinto, presidente do júri; Ana Paula Tavares, investigadora; José Vicente, vogal; Uelinton Farias Alves, secretário; Jean-Michel Mabeko-Tali, investigador; Vanicléa Silva Santos, vogal; e Irene Alexandra da Silva, supervisora pela Fundação António Agostinho Neto.

Responsável por liderar a comissão, Alberto Oliveira Pinto comenta sobre a oportunidade de participar da iniciativa. “Como presidente do júri do Prêmio Agostinho Neto, o meu grande desafio é conseguir que a decisão que o júri vai tomar colegialmente seja a mais justa, no sentido de premiar uma obra de qualidade que contribua para o estudo da história e da cultura angolana e da preservação da memória de Agostinho Neto. Acho que essa é uma responsabilidade que cabe a todos os membros do júri, embora a minha seja redobrada, porquanto o regulamento me confere poderes de desempate”.

Breve curriculum dos integrantes do júri

Prof. Doutor Alberto [Manuel Duarte de] Oliveira Pinto (Presidente do Júri) é Doutor em História de África pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL), Mestre em História de África pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL) e licenciado em Direito pela Universidade Católica Portuguesa. É Investigador do Centro de História da Universidade de Lisboa (CH-UL) e do Centro de Estudos sobre África, Ásia e América Latina do Instituto Superior de Economia e Gestão (CEsA-ISEG). É membro da União dos Escritores Angolanos (UEA) e da Associação Portuguesa de Escritores (APE) e está representado em várias antologias.

Prof. Doutora Ana Paula Tavares (Investigadora). Doutorada em Antropologia (Etnografia) pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Mestre em Literatura Africana pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e licenciada em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. É coordenadora do Grupo de Investigação do Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (Culturas e Literaturas e Culturas Africanas de Língua Portuguesa).

Pela Faculdade Zumbi dos Palmares e Instituto Afrobrasileiro de Ensino Superior:

Prof. Doutor José Vicente (Vogal). Presidente do Instituto Afrobrasileiro de Ensino Superior, Reitor da Universidade Zumbi dos Palmares e Presidente da Afrobras – Sociedade Afrobrasileira de Desenvolvimento SócioCultural, É Doutor em Educação pela UNIMEP – Universidade Metodista de Piracicaba- SP, Mestre em Administração pela UNIMEP – Universidade Metodista de Piracicaba – SP e Bacharel em Direito pela FIG - Faculdades Integradas de Guarulhos –SP.

Uelinton Farias Alves (Secretário). Jornalista, crítico literário, escritor e professor de literatura brasileira. Graduado em Comunicação Social e em Letras, é especialista e mestrando em Literatura Brasileira. Já publicou 11 livros, entre ensaios e biografias dos principais escritores e personalidades brasileiras sobre o período da escravidão, tema que é especialista. Atualmente escreve para o jornal O Globo, e é roteirista e pesquisador para teatro e televisão. Foi finalista do prêmio Jabuti e conquistou o prêmio de crítica e história literária da Academia Brasileira de Letras e de honra ao mérito do Governo do Estado de Santa Catarina, entre outros.

Pela UNESCO:

Prof. Doutor Jean-Michel Mabeko-Tali (Investigador). Doutor em História pela Universidade Paris VII (França), é professor da História de África e de História Política na Howard University (Washington/DC – EUA), membro do Comité Cientifico Internacional da UNESCO para o Uso Pedagógico da História Geral de África, e o Comité de Redação do Tomo III do IX volume da História geral de África.

Prof. Doutora Vanicléa Silva Santos (Vogal). Doutora em História Social pela Universidade de São Paulo, é professora de História da África da Universidade Federal de Minas Gerais, Diretora do Centro de Estudos Africanos da da Universidade Federal de Minas Gerais e Membro do Comité Científico da UNESCO para o IX volume da História geral de África e Editora do III Volume.

Pela Fundação Dr. António Agostinho Neto:

Dra. Irene Alexandra da Silva Neto - Supervisora pela FAAN. Mestre em Oftalmologia pelo Instituto de Oftalmologia Dr. Gama Pinto de Lisboa, Licenciada em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de Angola e Presidente do Conselho de Administração da Fundação Dr. António Agostinho Neto

Prêmio Internacional de Investigação Histórica Agostinho Neto

O concurso internacional é promovido pela Fundação Dr. António Agostinho Neto (FAAN) e pelo Instituto Afro-brasileiro de Ensino Superior (IABES), representado pela Faculdade Zumbi dos Palmares (FZP).

O objetivo da iniciativa é estimular os estudos sobre a vida e obra de António Agostinho Neto, primeiro estadista angolano e poeta, e de vários temas históricos ligados ao continente africano, e sobre Angola e o Brasil.

A obra vencedora será lançada na FESTINETO, em Angola, e na FlinkSampa, no Brasil. Após o lançamento, será realizado um debate com o autor, que contará com a presença de representante da FAAN, da FlinkSampa e do presidente do júri, Prof. Doutor Alberto Oliveira Pinto.

Quem foi António Agostinho Neto

António Agostinho Neto nasceu na aldeia de Kaxicane, região de Icolo e Bengo, a cerca de 60 km de Luanda, filho de uma professora e de um professor e pastor da Igreja Metodista. Foi médico, poeta, político e primeiro presidente de Angola.

Envolveu-se desde cedo com atividades políticas. Foi representante da Juventude das colônias portuguesas no Movimento da Juventude Portuguesa, o MUD juvenil e um dos fundadores do Movimento Anticolonial (MAC), que reunia participantes de Angola, Guiné, Cabo Verde, Moçambique e São Tomé e Príncipe. Foi eleito Presidente Honorário e, posteriormente, presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola – MPLA. Pela sua participação em atividades anticoloniais foi preso diversas vezes, tendo passado por prisões em Portugal e Cabo Verde.

Como representante do MPLA, participou 1975 em Portugal, da assinatura do acordo para a formação do “governo de transição”. E em 11 de novembro de 1975, proclamou a independência de Angola. Dirigiu o MPLA e foi o primeiro presidente de Angola durante os primeiros anos de independência. Morreu em 10 de setembro de 1979, em Moscou, na União Soviética.

VOLTAR

                    Memorial

Copyright © 2016 FLINK SAMPA Afroétnica - Festa do Conhecimento, Literatura e Cultura Negra
How to get Coral Bonus full info