banner topv3

Norte-americano James Gomes acredita que novo cabelo de Neymar pode ser busca da negritude

Gomez é diretor de Relações Internacionais da Rainbow Push Coalition, ONG comandada pelo reverendo  Jesse Jackson.  Ele está na IV Conferência Internacional Racismo no Esporte. Para Gomes, o ídolo brasileiro pode estar buscando origens

Seria apenas coincidência, ou o fato de Neymar surgir com seu cabelo ao natural, carapinha, abandonando o modelo alisado à custa de relaxantes, em pleno novembro da consciência negra, pode ser uma busca às suas origens?  Para o norte-americano James Gomez, que está no Brasil representando o reverendo Jesse Jackson, isso pode estar acontecendo. “Não sei qual é o processo de pensamento de Neymar e nem como ele se posiciona com relação a sua raça. Mas isso pode estar ocorrendo. Às vezes os ídolos não se manifestam sobre esse assunto, por questões que envolvem até patrocínios”, afirmou Gomez.

Neymar, craque brasileiro que defende o Barcelona, surpreendeu há alguns dias quando raspou a cabeça e abandonou o uso do cabelo alisado,  modelo que vinha utilizando desde que a merecida fama no futebol passou a acompanha-lo. O cabelo já alcançou certo volume e tem permanecido no estilo natural, fato que reforça a origem negra de Neymar.

Para o ex-velocista Robson Caetano,  o caso de Neymar é de resgate. “Ele cortou aquele cabelo alisado e agora se apresenta como o negro que ele é.  Eu também cheguei a usar relaxante. Mas decidi me assumir como sou. Passei a usar meu cabelo ao natural, afirmou.  Robson disse que como atleta não foi vítima de atos racistas. A discriminação aconteceu recentemente, na porta de um dos mais famosos e tradicionais hotéis do Rio de Janeiro. “Eu fui à festa de aniversário de uma amiga e decidi não ir de carro. Estava próximo e peguei um ônibus. Desci na parada que fica a poucos metros da entrada do hotel. Estava com o presente na mão e isso chamou a atenção dos porteiros. Eles não me deixaram entrar”, afirmou. A situação só foi contornada quando o ex-atleta se identificou e a organização da festa foi buscada.

Para James Gomez, o caso do golfista norte-americano Tiger Woods é emblemático na questão da negação da negritude em um primeiro momento  e, depois, da afirmação da mesma.  “Tiger Woods quando era questionado sobre  sua raça, desconversava. Em uma das oportunidades ele chegou a dizer que não era negro. Porém, quando passou pelo problema que teve (em 2009 um jornal alemão publicou que Woods mantinha relação extraconjugal. Ele era casado com a modelo Elen Nordegren. A partir dessa denúncia, outras supostas amantes de Woods foram se manifestando. O casamento do golfista terminou e a repercussão negativa fez com que seus patrocínios fossem rompidos e sua carreira abalada), ele era mencionado na imprensa como negro e não teve mais dúvida sobre sua raça e cor.”

A IV Conferência Internacional segue agora à tarde com as seguintes mesas na Uninove (Campus Memorial) – Rua Dr. Adolfo Pinto, 106 – sala 926 e 927 / 9º andar. 

13h00
Mesa 1 – O legado olímpico para prevenção e combate ao racismo no esporte

Mesa 2 – O racismo e as redes sociais

15h00
Mesa 1 – Racismo e patrocínio público: responsabilidade social e a imagem das marcas a serviço do esporte

Mesa 2 – Racismo e comunicação social: O papel da mídia esportiva

18h00 – Conferência de Encerramento (Memorial da América Latina)
Talk show com celebridades do esporte

Lançamento do Plano de Iniciativa do Esporte no Combate ao Racismo e Discriminação Racial

apoio

realizacao

Copyright © 2015 FLINK SAMPA Afroétnica - Festa do Conhecimento, Literatura e Cultura Negra
How to get Coral Bonus full info